“Reforma da Previdência precisa ser isonômica e deve combater privilégios”, critica Dr. Leonardo

February 25, 2019

 

 

 

A proposta da reforma da Previdência entregue ao Congresso Nacional pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) mantém privilégios para quem ganha mais e deixa maior peso nas costas de quem ganha menos. Essa é a opinião do deputado federal Dr. Leonardo (SDD-MT) que afirmou, em entrevista ao Jornal do Meio-Dia nesta sexta-feira (22), ser necessário aprimorar o texto atual para garantir isonomia entre todas as categorias de trabalhadores afetadas.

 

“Houve uma mudança muito singela, reduzindo poucos pontos percentuais da contribuição para ganha menos e um aumento muito singelo para quem ganha mais. Ou seja: não há Justiça, uma vez que os trabalhadores que ganham de um a dois salários mínimos, que representam mais de 80% dos que contribuem para a previdência, ainda sustentam a aposentadoria daqueles com elevados tetos. O texto precisa ser debatido exaustivamente porque ainda é mais um discurso político do que prático. Não é uma reforma isonômica. Ela foi fatiada e não vemos chegar nos outros poderes, então cai em cima só do trabalhador mais um vez”, afirmou Dr. Leonardo.

 

O parlamentar de Mato Grosso já começou a ouvir assessorias técnicas, auditores fiscais para estudar como encarar o projeto da reforma da previdência que foi entregue ao Congresso na quinta-feira (21). Por enquanto, ele cita como fator positivo o fim da aposentadoria especial para parlamentares, mas critica a falta de alcance da reforma para os outros poderes.

 

Dr. Leonardo também criticou o discurso daqueles que defendem que a reforma da Previdência será a solução para os problemas de falta de emprego e estagnação econômica. Para ele, a reforma mais importante é a Tributária, que deve ser feita para oferecer segurança jurídica e criar um ambiente favorável de negócios no Brasil, incentivando o empresário a investir no país.

 

“Estão vendendo a reforma da previdência como a mais importante para o crescimento do país, como se a previdência fosse o maior problema do Brasil. Precisamos encarar a reforma tributária. A reforma da previdência não vai ser uma matéria fácil. O Governo não apresentou ainda um relacionamento adequado com o Congresso Nacional. E não vamos permitir a aprovação de nada no atropelo. A função do Parlamento é debate e vamos fazer isso”, conclui Dr. Leonardo.

 

Pacote Anticrime - O parlamentar do Solidariedade de Mato Grosso afirmou que a decisão do ministro Sérgio Moro em fatiar o pacote Anticrime, deixando o Caixa 2 separado do texto principal, é uma estratégia para dar celeridade à tramitação. Contudo, ele acredita ser inevitável que essa discussão seja travada no Congresso.

 

“O projeto foi dividido para dar celeridade. A maioria dos políticos ainda não quer discutir Caixa 2 e, infelizmente, isso ficou para outro momento. Mas vai chegar o momento em que iremos discutir sim, acabar com o caixa 2. Temos que fazer política com ideologia, propositura, não com dinheiro. Infelizmente a mudança ainda não chegou para todos”, disse Dr. Leonardo.

 

Ele ainda afirmou que vai apresentar o Projeto de Lei em Defesa da Saúde, PL 379/2019, como emenda ao Pacote Anticrime, apresentado oficialmente pelo ministro Sérgio Moro. A proposta insere no rol dos crimes hediondos (Lei nº 8.072/1990) os crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, peculato, e os crimes contra licitações relativos a contratos, programas e ações nas áreas da saúde pública.

 

Confira a entrevista no Jornal do Meio Dia na íntegra:

https://www.youtube.com/watch?v=nfqnZiTWWSU

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags