“A educação perde muito com essa guerra ideológica”, diz Dr. Leonardo sobre cortes no MEC

May 16, 2019

 

O deputado Dr. Leonardo (Solidariedade) lamentou o clima de guerra ideológica que se instalou naquela que deveria ser uma discussão técnica sobre o anunciado corte no orçamento do Ministério da Educação, nesta quarta-feira (15.05). Durante seis horas, o ministro da Educação Abraham Weintraub prestou esclarecimentos, no Plenário da Câmara dos Deputados, sobre a medida que afeta universidades, institutos federais e outras unidades educacionais em todo o Brasil.

 

De acordo com o parlamentar de Mato Grosso que votou no dia anterior pela convocação do ministro, o encontro não resultou em nenhuma solução concreta para a educação do país.

 

“Me preocupa o clima de polarização que assola nosso país. Muitos ainda não desceram do palanque, infelizmente. Hoje, recebemos um ministro para falar sobre o corte no orçamento da educação. O que virou? Um confronto polarizado entre situação e oposição. A educação perde muito com essa guerra ideológica. Precisamos focar no futuro do Brasil e deixar esse clima eleitoral de uma vez por todas”, afirmou Dr. Leonardo.

 

Na avaliação do deputado, é dever do Congresso afastar a guerra ideológica para falar sobre ENEM, Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), formação de professores e outros projetos em prol da educação.

 

“Sinto falta de uma discussão técnica sobre projetos. Precisamos virar a página e focar nos projetos que vão ajudar a alfabetizar nossas crianças, preparar nossos jovens para o mercado de trabalho e proporcionar uma boa formação superior. Se continuarmos nessa toada que está hoje quem perde é o Brasil”, ressaltou.

 

Ao apoiar a convocação do ministro, Dr. Leonardo afirmou que essa seria uma oportunidade para sensibilizar o governo para recuar do corte no orçamento. O ministro Abraham Weintraub também disse que o encontro seria uma oportunidade para elucidar informações “distorcidas” que estão gerando mal-estar na sociedade. O balanço, porém, não foi positivo.

 

“Apesar do desejo de esclarecimento, não se viu nada além de ataques. Não conseguimos respostas, as informações estão muito desencontradas ainda. Continuaremos trabalhando para que o governo recue da medida. Porque educação é prioridade, é a nossa base, e não deveria sofrer qualquer forma de corte ou contingenciamento”, finalizou Dr. Leonardo.

 

CORTE - No dia 30 de abril, Abraham Weintraub anunciou que a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Universidade Federal Fluminense (UFF) teriam os repasses bloqueados em 30% por promoverem “balbúrdia”. No mesmo dia, o bloqueio acabou estendido para todas as universidades e institutos federais.

 

Dados do governo contabilizam o bloqueio de R$ 1,7 bilhão do orçamento de todas as universidades, o que representa 24,84% dos gastos discricionários e 3,43% do orçamento total das federais. O corte, segundo o governo, foi aplicado sobre gastos como água, luz, terceirizados, obras, equipamentos e realização de pesquisas.

 

O debate com o ministro da Educação coincidiu com manifestações convocadas em todo o país contra o congelamento dos recursos. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags