Dr. Leonardo quer que SUS forneça a pessoas carentes equipamento para aferir pressão

July 24, 2019

 

 



Médico por formação, o deputado federal Dr. Leonardo se manifestou favorável à aprovação do Projeto de Lei (PL 4315/2016) que obriga o Sistema Único de Saúde a fornecer, aos portadores de hipertensão arterial que sejam qualificados como de baixa renda, esfigmomanômetro e estetoscópio.

Relator da proposta que será apreciada de forma conclusiva nas Comissões de Seguridade Social e Família – CSSF e de Constituição e Justiça e de Cidadania – CCJC, o parlamentar de Mato Grosso defende, ainda, a obrigação da realização de treinamento aos usuários que receberem os aparelhos utilizados para aferir a pressão sanguínea, arterial e os sons corporais.

Na justificativa do PL, o parlamentar observa que a hipertensão arterial causa sérias morbidades ao organismo humano, entre elas a insuficiência renal e eventos vasculares, como os infartos e AVC. São situações que demandam tratamentos dispendiosos, internações prolongadas, longas reabilitações e cirurgias de alto custo.

“A hipertensão é uma das principais moléstias que afligem os brasileiros, sendo responsável por diversas morbidades e por alta taxa de mortalidade. Em muitos casos, é um mal silencioso, que pode passar despercebido pelo paciente, só sendo descoberto após a instalação de um quadro clínico mais grave, alguns até irreversíveis”, afirmou Dr. Leonardo.

A distribuição gratuita desses aparelhos pelo SUS e o fornecimento do treinamento necessário para a aferição da pressão arterial diretamente pelo próprio paciente, segundo o deputado de Mato Grosso, poderá ter um efeito preventivo considerável, evitando perda de produtividade, de capacidade laborativa e de bem-estar individual, os quais impactam negativamente diversos setores sociais, mas em especial o sistema público de saúde.

“Podemos imaginar quantos casos de acidentes vasculares fatais e causados pelo aumento elevado na pressão arterial poderiam ser evitados pela prática habitual de aferir tais valores. Muitos pacientes não fazem essa medida porque não possuem os aparelhos necessários e nem recursos para adquiri-los”, ressaltou.

Por conta de sua experiência como médico do sistema público de saúde, Dr. Leonardo observou que o SUS já enfrenta carência de recursos financeiros, algo público e notório e frequentemente utilizado como argumento para a falta de insumos, medicamentos e outros recursos na rede pública. Por outro lado, ponderou que as medidas preventivas são reconhecidamente menos dispendiosas se comparadas com as medidas interventivas. “Assim, a proposta em tela pode significar uma maior proteção aos pacientes e uma forma de economizar recursos”, avaliou.

Para Dr. Leonardo, a iniciativa demonstra a preocupação do autor com a ampliação do acesso à atenção à saúde e com o princípio da equidade e redistribuição justa de recursos, o que demonstra o mérito da matéria para a proteção do direito à saúde, tanto do ponto de vista individual, como coletivo. 


 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags