Projeto sobre Fibromialgia do deputado Dr. Leonardo é debatido em evento nacional

September 11, 2019

 

 

A fibromialgia, síndrome que se caracteriza por dores por todo o corpo, sensibilidade nas articulações e músculos, fadiga, dores de cabeça, distúrbios do sono e que também está ligada à depressão e ansiedade, foi tema de uma Audiência Pública, nesta terça-feira (10.09), na Câmara Federal. Em pauta esteve o Projeto de Lei 3010/2019, de autoria do deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT), que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Fibromialgia.

 

Organizado pela Associação Nacional de Fibrimiálgicos e Portadores de Doenças Correlacionadas (Anfibro), o evento contou com debatedores, médicos e especialistas de todo o Brasil. O parlamentar de Mato Grosso afirmou que o ato foi importante para dar visibilidade ao assunto e convencer o Congresso Nacional para a necessidade de criação e implantação de políticas públicas que contribuam para melhorias na qualidade de vida dos fibromiálgicos.

 

“Estamos num momento importante. Quem sofre com a síndrome precisa lidar com o preconceito de quem não entende como sintomas tão incômodos como dor constante e generalizada não têm uma causa definida. Infelizmente, muitas mulheres com fibromialgia ainda escutam que a dor e o sofrimento são frescura. Temos que acabar com isso, combatendo o preconceito, oferecendo diagnóstico preciso e atendimento especializado”, avaliou Dr. Leonardo.

 

De acordo com uma das organizadoras, Márcia Maria Caires Silva, a Audiência Pública foi um marco na história das pessoas que tem a doença e um referencial de conhecimento e reconhecimento. “Agradecemos imensamente o deputado Dr. Leonardo por ter proposto o evento. Foi um momento que também proporcionou o contato pessoal entre os representantes da Anfibro que estão espalhados pelo país. A palavra que resume tudo é a gratidão”, destacou. 

 

Durante a Audiência, debateu-se ainda estratégias para pedir a cada deputado do Brasil apoio ao PL do deputado Dr. Leonardo. Entre as diretrizes da política proposta estão o atendimento multidisciplinar e o estímulo à pesquisa científica para dimensionar a magnitude da doença no Brasil. O tratamento dos pacientes exige medicação contínua com antidepressivos e neuromoduladores, e exercícios de três a cinco vezes por semana, além de acupuntura, massagens, infiltração de anestésicos e acompanhamento psicológico.

 

“A realização do tratamento requer, portanto, que o paciente disponha de tempo suficiente e recursos, pois o Sistema Único de Saúde (SUS) não dá cobertura a todas essas atividades”, afirma Dr. Leonardo.

 

O projeto considera ainda quem tem fibromialgia como pessoa com deficiência para todos os efeitos legais. A falta dessa classificação, segundo o parlamentar, tem causado inúmeros transtornos a essas pessoas, “especialmente no que tange à concessão de benefícios”. A proposta tramita em caráter conclusivo nas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

November 21, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags