Especialistas ouvidos por Dr. Leonardo não descartam novos casos de microcefalia por Zika vírus

November 13, 2019

 


Pesquisadores ouvidos pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados não descartam o risco de novos casos de microcefalia causados por Zika vírus no País. Eles apontam que a gravidade dos casos registrados, principalmente no nordeste, tem relação com a bactéria saxitoxina (que se reproduz na água) associada à dengue e à desnutrição. O tema foi debatido em Audiência Pública, nesta segunda-feira (11.11), convocada pelo deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT).

“Essa é uma situação preocupante. No começo do ano encaminhei requerimento ao ministro da Saúde pedindo informações sobre a atuação ao combate à Dengue, Zika e Chikungunya no estado de Mato Grosso. Dentro desse contexto de prevenção, acredito que o Ministério da Saúde precisa discutir melhor a quantidade dita segura de cianobactérias na água fornecida à população. Precisamos encontrar uma forma de evitar que mais bebês nasçam com microcefalia por causa da zika”, justificou Dr. Leonardo.

Mesmo após quatro anos da epidemia de zika, o Brasil continua com índices de incidência de microcefalia acima dos níveis mundiais nas regiões Nordeste, Centro-oeste e Sudeste. Em 2018, a cidade de Belo Vale, em Minas Gerais, registrou 50 casos por 10 mil habitantes, enquanto no restante do mundo esse índice é de dois casos por 10 mil.

 

Para o pesquisador em microbiologia celular Flávio Lara, os fatores responsáveis pela gravidade dos casos de microcefalia ainda não foram sanados e podem voltar a ocorrer. "A saxitoxina provavelmente é um deles, restrição proteica também, a desnutrição", enumerou. Lara afirmou que o próximo passo da pesquisa é identificar fatores ambientais que contribuem para maior incidência de dengue e zica no nordeste. "Fatores evitáveis para a gente poder se preparar para uma possível futura epidemia de zika na região".

Saneamento - Professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Renato Molica considera as condições de saneamento no País mais um agravante. Ele lembra que no Brasil apenas 52% do esgoto são coletados e desse total somente 46% são tratados, o que leva a condições ideais para a reprodução da saxitoxina, bactéria que não é retirada da água através do processo de tratamento atual.

A coordenadora geral de vigilância em saúde ambiental do Ministério da Saúde, Thais Cavendish, explicou que já existe um protocolo de tratamento da água potável que é atualizado a cada cinco anos, mas reconhece que os níveis de saneamento no Brasil ainda são muito baixos, dificultando esse controle.

Para o deputado Dr. Leonardo, a pesquisa demonstra que a situação é preocupante. "Demonstra a necessidade de mais recursos em pesquisa e de ampliar a discussão social, isso é papel da Câmara", destacou.

 

Com informações da Agência Câmara Notícias

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags